O  número  de pacientes  que marcam consultas ou exames médicos em Cascavel e que simplesmente  não comparecem na data agendada é preocupante e tem trazido transtornos  à Secretaria Municipal de Saúde.

A ausência varia de 10 a 20%, dependendo  da especialidade. Na atenção básica, a Secretaria  de Saúde tem conseguido contornar um pouco mais as faltas, ao deixar outros pacientes de sobreaviso. O problema maior está nas consultas especializadas.

De  janeiro  a julho deste  ano, 21.627 pessoas deixaram de comparecer  às consultas agendadas. No total, foram agendados exames e consultas para 287.748 pacientes nas unidades de saúde do Município. Outros 15.768 não compareceram  às consultas de alta e média complexidade, que são reguladas pelo Estado.

De acordo com o secretário de Saúde, Rubens Griep, no caso das consultas  especializadas não é possível fazer o encaixe, porque os pacientes são avisados com 15 ou 20 dias de antecedência e as consultas são feitas pelo Cisop (Consórcio  Intermunicipal de Saúde do Oeste do Paraná). “Na atenção especializada tem algumas faltas que chegam a 30%”, diz o secretário.

Até o ano passado, as consultas agendadas no Cisop eram pagas pelo Município mesmo quando o paciente não comparecia. Os municípios adquiriam pacotes fechados para as  consultas e quando elas não eram realizadas o valor era rateado para as demais despesas do consórcio.

Agora só são pagas aquelas que de fato são realizadas e o pagamento é feito por consulta.

Segundo Griep, a ausência de pacientes agendados tem desmotivado alguns médicos justamente por não receberem pela consulta. “Nós já tivemos alguns profissionais que demonstraram descontentamento e que dizem que vão se desligar do serviço”, afirma Griep.

A Secretaria de Saúde de Cascavel tem um custo mensal fixo para manutenção de R$ 200 mil com o Cisop e, em média, outros R$ 360 mil de custo variado, que são as consultas. Com a mudança no sistema de pagamento ao consórcio, a Prefeitura de Cascavel tem economizado aproximadamente R$ 72 mil mensais.

Estratégias:

A ausência dos pacientes levou o Conselho Municipal de Saúde a discutir a questão recentemente em uma de suas reuniões e a adotar algumas estratégias. Uma delas é orientar os pacientes que têm exames ou consultas marcadas que, em caso de não comparecimento, avisem a unidade com 48 horas de antecedência para que outra pessoa seja colocada em seu lugar.

Além disso, é preciso justificar a ausência. Se houver uma justificativa coerente, o paciente continua na fila de espera, mas se isso não ocorrer ele é retirado e para ter acesso a nova consulta precisa passar por um médico clínico e fazer outro agendamento. Isso vale também para exames médicos.

Hoje News

Carlos Moraes

Carlos Moraes

Carlos Moraes, natural da cidade de Maringá – PR, jornalista, publicitário, formado em Marketing e pós graduado em gestão pública com enfase em cidades. É atualmente apresentador de Catve, empresário e palestrante com especialidade em implantação de programação local e regional em emissoras de TV. Moraes já trabalhou como repórter e apresentador em TVs afiliadas a Rede Globo, Bandeirantes, Rede TV, SBT, Educativa, Record e CNT. Fundou o jornal “Agora Paraná” na região metropolitana de Curitiba. Já escreveu nos principais jornais impressos do Paraná e trabalhou na implantação programas em diversas emissoras de rádio Brasil a fora. Em Cascavel trabalhou nas Rádios Colméia e Independência!

Ver todas as postagens

Adicionar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *